Podemos equiparar uma empresa a um corpo humano por diversas vezes. O corpo humano é composto por vários sistemas que não funcionam sendo independentes. O sistema nervoso tem sua função, o respiratório, o digestivo; cada um cumprindo seu papel para que o corpo esteja em perfeito funcionamento. As empresas, são da mesma forma, porém, ao invés de sistemas, possuem processos que dependem uns dos outros para atingir o objetivo de se manterem vivas no mercado e além disso, melhorarem continuamente com relação às suas atividades, seus programas. Imagine por exemplo, uma área de TI sem computadores de outras áreas? E uma área de comunicação sem informações? Não sobreviveriam.

Agora, quando o nosso corpo ou a nossa empresa adoece, isso sim é preocupante e muitas vezes não somos capazes de nos diagnosticar e muito menos de nos medicar, pois, afinal, não somos preparados para isso. Somos preparados para ter hábitos que fazem o nosso organismo funcionar no dia a dia. E é aí que entram os diagnósticos focados em estratégias empresarias, que podem fazer com que sejam detectados problemas com base numa análise de risco e não somente com base preventiva.

A diferença de se atuar com base em análise de riscos, é fazer um diagnóstico com ênfase em fatos, probabilidades, frequência de acontecimentos, severidade e focado nos objetivos da organização. O diagnóstico muitas vezes vai apresentar resultados surpreendentes, mostrando às organizações onde estão seus principais gargalos, suas fraquezas, onde estão alocados os seus recursos e em sua maioria, as “doenças da organização”, ou melhor dizendo, aquilo que impede a empresa de crescer ou atingir seus objetivos.

O diagnóstico do sistema de gestão de uma empresa é focado nas entradas, saídas e atividades de cada processo e permite verificar se todos os recursos, sejam eles tecnológicos, financeiros, humanos e outros estão sendo utilizados da forma correta e estão trazendo o resultado esperado.

Após o diagnóstico, é hora de tratar as doenças e sintomas que tendem a prejudicar o sistema de gestão e para tal, é estabelecido um plano de ação que permite tratar cada uma das deficiências encontradas com base no objetivo da empresa a curto, médio e longo prazo. Este trabalho pode ser realizado por meio de uma consultoria que possibilite mais agilidade, foco e qualidade ao processo. É partir disso que entra a importância de um bom planejamento estratégico e do envolvimento da alta direção para nortear todo o trabalho. A partir daí todas as ações são tomadas com base no que a organização quer e o que ela pretende atingir. E é neste momento que todos os setores são envolvidos e devem tomar ações para que a organização decole.

Fonte: Administradores.

Leia Também

download

Nos últimos 2 anos temos vivenciado momentos muito desafiadores no âmbito comercial. Por um lado, nossa economia enfraquecida pelos acontecimentos políticos – que consequentemente tiram de nós algumas oportunidades de sucesso nos negócios, os quais, provavelmente, em cenários mais seguros, ocorreriam sem tal instabilidade. Por outro lado, justamente por conta deste cenário desafiador, uma disputa […]
Picart
Você sabe o que é o controle patrimonial, bem como sua importância para um negócio? Trata-se de uma rotina que deve ser feita constantemente e que conta com a ajuda dos responsáveis pela contabilidade da empresa. Apesar de ser imprescindível para o sucesso de um negócio, pouco se fala sobre o tema. Exatamente por esse […]
Gestão-Financeira-Controladoria-e-Auditoria1
Melhorar a gestão financeira de uma empresa deve ser um objetivo constantemente atualizado e buscado pelos empreendedores para garantir o sucesso de seu negócio. Mas ter resultados cada vez mais satisfatórios não depende somente de trabalhar muito e contar com uma boa equipe: apesar de esse ser um bom começo, também é preciso ter planejamento, […]

Av. Milton Campos, 2783 - Centro - Guanhães/MG - CEP 39740.000 - Tel.: (33) 3421-0222