A pressão pode vir de exigências legais, por meio dos consumidores ou até pela necessidade de reduzir custos, mas não importa, as organizações que buscam a solidez e perenidade devem ter em seu escopo ações e estratégias que foquem no respeito à sociedade e ao meio ambiente. Investir em ações sustentáveis não é mais uma escolha das empresas, e sim uma obrigação.

Por não conseguirem mensurar os benefícios de forma simples e direta, percebe-se ainda relativa resistência na adoção de ações efetivas, em grande parte, por pequenas e médias empresas. Contudo, a fim de assegurar e propiciar seu crescimento, é cada vez maior o engajamento, por questões práticas de mercado, as empresas se veem desafiadas à adaptarem seus valores corporativos até para que estejam inseridas na cadeia da sustentabilidade.

Isto se dá pela imposição de um grupo cada vez maior de corporações que, preocupadas em fortalecer e exponenciar suas práticas de sustentabilidade, estabelecem níveis de expectativa e qualificação de seus fornecedores, parceiros e colaboradores, exigindo evidências de seu comprometimento com ações sustentáveis.

As empresas se deparam com o desafio de compatibilizar a cultura da sustentabilidade por meio de rotinas operacionais inseridas no seu dia a dia que evidenciem o seu real comprometimento com a causa, além disso é também uma forma de assegurar o equilíbrio econômico-financeiro que retroalimente e estabilize os processos de forma linear e contínua.

Além de se preocupar com o meio ambiente, é imprescindível que a empresa sustentável também desencadeie iniciativas em prol da comunidade que vive ao seu redor, implementando políticas que ajudem no desenvolvimento comunitário em seus diversos aspectos.

Respeito aos seus colaboradores associado a um ambiente corporativo saudável e com oportunidades de crescimento, desenvolvimento pessoal e profissional, também compõem práticas a serem perseguidas pela empresa sustentável.

Simples gestos como optar por folhas de sulfite recicladas, trocar o uso de copos descartáveis por copos de vidro e separar o lixo reciclável do orgânico são convertidos em poderosas ferramentas culturais de grande impacto dentro das organizações.

Identificar tecnologias mais eficientes que diminuam os desperdícios e possam reduzir o impacto ao meio ambiente com a correta e adequada destinação dos rejeitos relacionados a sua produção seria um exemplo de como é possível alinhar boas práticas aos resultados proporcionando ao seu negócio maior equilíbrio financeiro.

A empresa que se posicionar antecipadamente com práticas que levam em conta os diferentes públicos com quem se relaciona certamente disporá, além de relevante diferencial competitivo, um enorme ganho de imagem e reputação.

Fonte: Administradores.

Leia Também

declaracao-anual-do-mei-microempreendedor-individual

O dia 31 de maio é o prazo final para a entrega da declaração anual do MEI. Enquanto muitos correm para colocar a documentação em dia, é importante lembrar quais são os principais erros da declaração anual do MEI cometidos pelos empresários. Para evitar que você seja mais um na estatística daqueles que entregam a […]
Imprimir
O micro e pequeno negócio no Brasil movimenta consideravelmente a economia do país, cerca de 27% do PIB brasileiro, conforme dados do SEBRAE. Além de empregarem 52% da população, o que demonstra significativa importância. Mas inúmeros são os desafios destes micro e pequenos empresários. Uma das principais dificuldades enfrentadas por estes portes de empresas é […]
noticia_124836
Tornar-se vendedor em nosso País, na maioria das vezes, acontece por conta de uma necessidade financeira ou por alguma oportunidade inesperada. A verdade é que quando menos você espera, já está vendendo alguma coisa. Diferente de outros profissionais, que estudam e se formam para depois começarem a exercerem suas atividades por formação, como por exemplo […]

Av. Milton Campos, 2783 - Centro - Guanhães/MG - CEP 39740.000 - Tel.: (33) 3421-0222