Você provavelmente já deve ter ouvido falar dos temidos “buracos negros” do espaço sideral, onde tudo é sugado e nada – nem mesmo partículas que se movem na velocidade da luz – pode escapar.

As empresas também criam os seus buracos negros quando recursos financeiros, equipamentos de trabalho, a motivação dos funcionários e, até mesmo a relação com bons clientes, acabam indo para o ralo, sem que ninguém saiba o que realmente aconteceu.

Penso que porque boa parte dos gestores não dá a atenção necessária àquilo que, num primeiro momento, não parece crítico. E, então, quando o problema se torna grande de verdade, não têm muito o que fazer porque foram “engolidos“.

Os entraves na comunicação interna são um exemplo clássico. Atrasos na entrega de produtos, retrabalho, qualidade inferior dos serviços, conflitos entre os departamentos e compradores insatisfeitos costumam vir de mal-entendidos que poderiam ter sido evitados.

Não há como deixar de citar, também, de maneira particular, aqueles colaboradores que são sugados pelas demandas urgentes. Claro que emergências sempre vão existir, mas será que não está faltando um pouco de planejamento? Eles precisam ser capazes de negociar prazos possíveis de serem cumpridos com os clientes, pares e gestores, ou mesmo envolver outras pessoas para auxiliá-los.

Outro buraco negro comum nas organizações tem a ver com os custos ocultos da operação, que impactam os resultados. Enquadram-se nessa categoria as exceções no atendimento, entregas emergenciais e até mesmo a quarentena que não foi cumprida. Não é raro esses custos serem desconsiderados, o que leva os gestores a tomarem ações sem a análise adequada de viabilidade. Por outro lado, existem situações de excesso de controle, que consomem um tempo precioso e não agregam nada.

Chamo a atenção, ainda, para a dependência excessiva de alguns funcionários e, claro, a falta de conhecimento técnico e de gestão. Raramente isso aparece nas planilhas, mas certamente provoca sobrecarga de trabalho para alguns e ociosidade para outros.

Independente do porte ou segmento da sua empresa, é provável que esses e tantos outros buracos negros estejam sugando parte daquilo que foi tão difícil conquistar.

Lembre-se de que as menores fissuras podem indicar grandes problemas. Portanto, pergunte-se constantemente: quais buracos negros merecem a minha atenção neste momento? Se não é possível eliminá-los, como posso diminuí-los? Não fuja das perguntas desconfortáveis, elas são a chave para a busca de soluções e o crescimento do seu negócio.

Fonte: Administradores.

Leia Também

declaracao-anual-do-mei-microempreendedor-individual

O dia 31 de maio é o prazo final para a entrega da declaração anual do MEI. Enquanto muitos correm para colocar a documentação em dia, é importante lembrar quais são os principais erros da declaração anual do MEI cometidos pelos empresários. Para evitar que você seja mais um na estatística daqueles que entregam a […]
Imprimir
O micro e pequeno negócio no Brasil movimenta consideravelmente a economia do país, cerca de 27% do PIB brasileiro, conforme dados do SEBRAE. Além de empregarem 52% da população, o que demonstra significativa importância. Mas inúmeros são os desafios destes micro e pequenos empresários. Uma das principais dificuldades enfrentadas por estes portes de empresas é […]
noticia_124836
Tornar-se vendedor em nosso País, na maioria das vezes, acontece por conta de uma necessidade financeira ou por alguma oportunidade inesperada. A verdade é que quando menos você espera, já está vendendo alguma coisa. Diferente de outros profissionais, que estudam e se formam para depois começarem a exercerem suas atividades por formação, como por exemplo […]

Av. Milton Campos, 2783 - Centro - Guanhães/MG - CEP 39740.000 - Tel.: (33) 3421-0222