Abrir diálogos sobre assuntos urgentes e sérios e lançar temas delicados e desconfortáveis é, possivelmente, a chave mais crucial da mudança na engrenagem cultural que, silenciosamente, transforma condutas inaceitáveis em imperceptíveis e confundem o habitual com o natural.

No mundo corporativo, a falta de uma comunicação linear, que seja clara, direta e objetiva, pode gerar transtornos para toda a equipe. Há muitas “ciladas” que podem ocorrer e interferir na relação empresa x colaboradores, a influência que o código de conduta que trazemos em nossa bagagem cultural pode impactar nessa relação, mas é possível criar, por meio de “pontes”, que aproximam, interagem e dão leveza para que um assunto sério não se torne chato.

Cilada 1: Despertar a emoção do medo nas pessoas

Lembra quando nossos pais nos chamavam pelo nosso nome completo? Era um código muito claro de que o assunto tinha ficado sério. Na nossa cultura latina, não chamar pelo apelido significa, muitas vezes, uma tragédia conflituosa emergindo. E, em tempos de redes sociais, onde a vida há de ser um misto de calor, de riso fácil, de alegria e de plenitude constantes, conflito nenhum é bem-vindo. O papo sério pode nos colocar em posição de alerta e nossa memória deste estado de alerta muitas vezes está associada ao medo.

Cilada 2: Nosso paradoxo cultural

Se, por um lado, transitamos por essa marca forte de sermos o povo do acolhimento, da receptividade, da dança, da celebração, da festa, dos sabores e das cores, por outro, também carregamos a imagem deste povo que, muitas vezes, passa do limite da brincadeira, que não cumpre horários, nem tão pouco com acordos. Neste dilema entre querer agradar e lutar para não corromper, ficamos no limbo dos acordos que serviriam para mediar e regular as relações humanas, as posturas, as condutas, quer seja no mundo do trabalho, quer seja no mundo íntimo e pessoal. O código não está claro. Como desenhar este desafiador caminho de ser quem se é, transitar com integridade e transparência, adotando o perfeito balanço entre verdade e gentileza como prática diária, estabelecendo limites claros e também oportunizando aproximação, empatia e diálogo aberto?

Cilada 3: Nossa mania de fragmentar e reduzir

Às vezes parece, que reduzimos a compreensão das coisas da vida, do convívio e do trabalho. Fragmentamos a vida profissional da vida pessoal, traçamos uma linha frágil que separa o formal do informal: ou é gravata ou é chinelo. Ou é reducionista pela linguagem: rebuscada ou de baixo calão. E colocamos os assuntos em caixas de (1) bobagens superficiais ou (2) formalidades insuportáveis.

Claro que a bobagem superficial ficou para os almoços de família e encontros inevitáveis de café e elevador, e os assuntos importantes, formais e insuportáveis, ficaram para o mundo corporativo e para resoluções de testamentos. Entre esses dois mundos não há um vale de desconexão, mas há uma ponte sólida de possibilidades múltiplas. Há de se envidar esforços para reconectar, tecer e ampliar nosso olhar e enxergar de maneira mais sistêmica e menos fragmentada.

Detectadas as ciladas, o próximo passo é encontrar o caminho de como tornar possível abordar um assunto sério sem torná-lo um assunto chato. Será que basta colocar um chinelo, lançar uns palavrões, oferecer uma cerveja e estará tudo mais leve? Não parece ser bem isso o que modifica a densidade da conversa e faz florescer a leveza.

1. Entre a linguagem formal e a informal, construa a ponte acessível

Simples, direta e transparente. Nem palavrão, nem jargão técnico. Saber usar recursos da simplicidade requer muita sabedoria e sofisticação intelectual. Bem como saber sintetizar e estruturar sua fala. É ter a gentileza de conduzir o público por uma linha intrigante e curiosa, fácil de compreender, acompanhar e registrar, e digna para alcançar a todos presentes com respeito.

2. Entre o dever burocrático e o lazer prazeroso, construa a ponte da legitimidade

Sem contornos, nem exageros. Não precisa trazer para seu evento a estrela do momento, nem fazer barulho para chamar atenção. Siga pela trilha da legitimidade, porque se tem algo em que nós, humanos, somos habilidosos e bem treinados é saber distinguir o legítimo do não legítimo, o autêntico do falso, a verdade da mentira. Então, dedique tempo para buscar pessoas que falam de forma genuína, verdadeira, presente e legítima, e mantenha-se atento para se conduzir por este caminho também.

3. Entre o assunto muito técnico e complexo e o muito delicado e exigente, construa a ponte da confiança

Confiança não é algo que possa ser forçado. No máximo, pode-se cultivar o campo para que ela – eventualmente – floresça, mas, jamais, uma estratégia para manipular que ela surja a qualquer custo. É preciso confiar que o outro vai dar conta, que o outro é suficientemente capaz de entrar em contato com os assuntos, por mais delicados que sejam. É confiar na força e na capacidade do coletivo, de que o grupo dá conta do que é bom que emerja. É fazer integralmente sua parte para criar um ambiente seguro e entregar-se ao fluxo em ato de confiança. Saber dosar o momento de fazer tudo que está a seu alcance, e o momento de relaxar, aproveitar e deixar fluir.

4. Entre o mundo técnico e o dos abraçadores de árvores, construa a ponte da conexão

A conexão acontece quando a humanidade nos aproxima. Não adianta ser a pessoa que mais entende daquele assunto no planeta se não souber transmitir seus conhecimentos, nem souber se conectar com sua audiência. Nem tão pouco adianta ser uma pessoa amorosa e gentil, se não conseguir comunicar e transmitir sua mensagem. Há uma ponte de conexão que, geralmente, é consolidada quando vemos, simultaneamente, o especialista e o ser humano, ambos presentes e atuantes naquela narrativa. Permita-se compartilhar seus desafios e angústias em relação ao tema exposto. Além de ser um ato de humildade, é também um ato de coragem transitar por esta vulnerabilidade.

5. Entre a realização e a passividade, construa a ponte do engajamento

Apesar de reconhecermos a importância de atividades interativas, dos jogos e das dinâmicas, não é só este o caminho para o engajamento. Não significa oferecer um lugar de ouvinte passivo, onde deverão ficar imóveis e atentos ao conteúdo durante longos períodos, como em muitas palestras e treinamentos. É pensar na jornada da experiência do seu público: como criar uma experiência mobilizadora, que gere apropriação, reflexão, senso de pertencimento e potência de intervenção. Chamamos isso de engajamento ativo. Abra espaço para participação, atitude, contribuição e agregação, confie na potência do acaso, do incontrolável, do que só pode surgir no grupo e pelo grupo.

Não é porque estamos acostumados com algo, que podemos afirmar que este algo é bom e é justo. Somos seres adaptáveis, com capacidade para elaborar e criar cenários saudáveis e potentes, capazes de alcançar uma sinergia plena entre a empresa e seus colaboradores.

Fonte: Administradores

Leia Também

images

A inovação não é algo que simplesmente acontece, do nada. Ela precisa ser cultivada, desenvolvida e estimulada. A simples decisão ou vontade de se ter uma empresa ou um ambiente inovador não é garantia de que isto vai acontecer, apesar de ser um bom começo. Como em todo cultivo, um ambiente inovador precisa de investimentos […]
download
Nos últimos 2 anos temos vivenciado momentos muito desafiadores no âmbito comercial. Por um lado, nossa economia enfraquecida pelos acontecimentos políticos – que consequentemente tiram de nós algumas oportunidades de sucesso nos negócios, os quais, provavelmente, em cenários mais seguros, ocorreriam sem tal instabilidade. Por outro lado, justamente por conta deste cenário desafiador, uma disputa […]
Picart
Você sabe o que é o controle patrimonial, bem como sua importância para um negócio? Trata-se de uma rotina que deve ser feita constantemente e que conta com a ajuda dos responsáveis pela contabilidade da empresa. Apesar de ser imprescindível para o sucesso de um negócio, pouco se fala sobre o tema. Exatamente por esse […]

Av. Milton Campos, 2783 - Centro - Guanhães/MG - CEP 39740.000 - Tel.: (33) 3421-0222