Empresas são, praticamente, seres vivos. Orgânicas, ora crescendo, ora se retraindo, mas sempre em movimento. Por este motivo, o campo de estudo da gestão de pessoas ensina que um dos índices que deve ser medido e entendido nas companhias é o de rotatividade de funcionários, ou seja,quantas pessoas são desligadas e contratadas em um determinado ciclo de tempo.

As causas da alta rotatividade estão relacionadas a uma série de questões, internas e externas. Assim, não é difícil encontrar empresas que sofram com alta rotatividade de funcionários, mas que não percebem quais fatores a estão ocasionando. Alguns destes fatores, como o relacionamento com o cliente e a percepção de contribuição no trabalho, até mesmo passam despercebidos nestas avaliações. Um engano perigoso.

Existe ainda um outro problema, talvez mais recorrente nas empresas, que possui o mesmo viés: o presenteísmo. Neste caso, o colaborador está no ambiente de trabalho, porém, com a falta de conexão, sua produtividade é altamente comprometida. Uma tarefa que poderia levar duas horas, leva quatro e as distrações sempre estão na lista de prioridades. Estão presentes em corpo, mas nem sempre em mente e coração.

Abaixo, relaciono apenas dois motivos internos pelos quais vemos alta rotatividade de funcionários e presenteísmo nas empresas por onde passamos:

Falta de visão de futuro clara

Esta é uma questão que recorrentemente aponto como causadora de problemas. E acrescento mais este à lista. Quando as pessoas não têm percepção clara de para onde estão indo, sua entrega se torna medíocre e pouco eficaz.

A falta da clareza sobre quais caminhos a companhia decide trilhar a cada fase que vive geram intensa insegurança. E nesse ambiente, o sentimento de “cada um por si e Deus por todos” vai crescendo. Em pouco tempo, encontramos pessoas e equipes inteiras se comportando de maneira territorialista, perdendo a noção de cliente interno, profundamente pressionadas a entregarem resultados a qualquer custo para provarem por que são indispensáveis na empresa.

Estão presentes
em corpo, mas nem
sempre em mente
e coração

Este cenário cobra seu preço: colaboradores doentes – psicológica e fisicamente, equipes desconectadas entre si e com as demais áreas da empresa e, claro, pouca ou nenhuma atenção no cliente. O sentimento de preservação se torna absoluto e o foco se torna sobreviver, mesmo que abrindo mão da sua capacidade de contribuição e realização.

Falta do sentimento de reconhecimento

Os resultados de nossos diagnósticos apontam que esta é uma realidade muito presente nos ambientes coorporativos: sistemas de reconhecimento fracos, que não se tornam de fato uma cultura dentro do ecossistema da empresa.

E o termo aqui em jogo – reconhecimento – não está ligado unicamente a questões financeiras, mas à necessidade de, independente de sua função, se sentir pertencente, realizador e, até indispensável, dentro da cadeia de informações, atendimento e entrega para o cliente.

Poucas são as companhias onde a cultura do elogio vence a da crítica ou onde o erro torna-se aprendizado. Quando isso não acontece, em grande parte dos casos, o colaborador não pensará duas vezes em abraçar uma nova oportunidade na carreira quando ela surgir. Pior, em épocas de recessão como a nossa, acionar o instinto de sobrevivência e abrir espaço para o presenteísmo.

Quando combinadas, estas duas situações geram nos colaboradores o sentimento de “empresa de passagem” ou “empresa de transição”. Assim, o local atual de trabalho é apenas um lugar onde ele está por um período para acumular experiência ao currículo, para entender melhor o mercado de atuação ou para obter ganhos financeiros enquanto a oportunidade sonhada não se apresenta.

Não há como esperar que a entrega de pessoas que se encontram nesse cenário seja de fato baseada em suas melhores habilidades, pois não há uma conexão que vá além. Portanto, se sua empresa tem percebido alta rotatividade de funcionários ou alto nível de presenteísmo, é fundamental analisar, de forma franca e honesta, os itens acima.

E acredite: cultivar diariamente um ambiente de visão e pertencimento é a melhor escolha que pode fazer, por você mesmo, pelo cliente, pela companhia, pelas pessoas e pelo resultado. Pessoas engajadas estão dispostas a entregar todo o seu potencial. Permita que elas façam isso dentro das suas paredes e, de preferência, presentes de verdade.

Fonte: Administradores.

Leia Também

declaracao-anual-do-mei-microempreendedor-individual

O dia 31 de maio é o prazo final para a entrega da declaração anual do MEI. Enquanto muitos correm para colocar a documentação em dia, é importante lembrar quais são os principais erros da declaração anual do MEI cometidos pelos empresários. Para evitar que você seja mais um na estatística daqueles que entregam a […]
Imprimir
O micro e pequeno negócio no Brasil movimenta consideravelmente a economia do país, cerca de 27% do PIB brasileiro, conforme dados do SEBRAE. Além de empregarem 52% da população, o que demonstra significativa importância. Mas inúmeros são os desafios destes micro e pequenos empresários. Uma das principais dificuldades enfrentadas por estes portes de empresas é […]
noticia_124836
Tornar-se vendedor em nosso País, na maioria das vezes, acontece por conta de uma necessidade financeira ou por alguma oportunidade inesperada. A verdade é que quando menos você espera, já está vendendo alguma coisa. Diferente de outros profissionais, que estudam e se formam para depois começarem a exercerem suas atividades por formação, como por exemplo […]

Av. Milton Campos, 2783 - Centro - Guanhães/MG - CEP 39740.000 - Tel.: (33) 3421-0222